Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

20
Mar16

#2 - O caso das melancias roubadas

João Jesus e Luís Jesus
Há muito, muito tempo, quando ainda havia gente boa na Terra, existia uma menina muito pobrezinha chamada Andreia. A coitada da menina não tinha mãe nem pai e vivia sozinha, dentro de um tronco oco de árvore na Floresta dos Encantos.

Acontece, que um dia, como todos os anos, veio a seca. Mas nesse ano, a seca era ainda mais abrasadora e como a menina vivia na floresta sem muita proteção contra aquele sol quente, a menina queria comer alguma coisa fresquinha.

Quando a menina se lembrou que a coisa mais deliciosa e fresquinha que ela alguma vez comera era a melancia, Andreia saltou de alegria. Depressa se lembrou que o seu amigo, o fazendeiro Jorge tinha uma plantação delas, Andreia resolveu ir pedir-lhe a maior da sua plantação de graça, pois ela era muito pobre.

A menina começou a sua viagem e, perto da vila, a menina arranjou transporte numa carroça de palha, que também se dirigia para perto da fazenda do seu amigo.

Quando chegou à fazenda do senhor Jorge, a menina correu ao encontro do seu amigo. Quando o encontrou, a menina contou-lhe o que queria. Depois de a ouvir, o fazendeiro respondeu-lhe que agora plantava só batatas, pois era rica em vitamina B e C. A menina respondeu-lhe:

“ Nem só de batata as pessoas vivem!”

Muito intrigada, a menina continuou a sua viagem a pé, à procura de melancias. Passado um tempo, a menina encontrou outra fazenda e essa tinha muitas melancias.

Andreia estava tão entusiasmada que começou a saltar e a cantar e reparou que também um homem velho, saltava e gritava à sua beira.

- Não sabia que os adultos também gostavam tanto de melancia! – Disse Andreia

- Não é por isso que estou a gritar! As minhas melancias foram roubadas outra vez! – Disse o senhor

Para a menina, esse era o pior crime que podia acontecer.

- Como é que alguém tem coragem! – Resmungou a rapariga

- Todos os dias, desaparecem-me um monte de melancias e ainda não descobri quem as rouba!

A menina perguntou porque é que ele não ficava acordado para descobrir o ladrão, mas o fazendeiro explicou que se levantava às cinco da manhã e por isso tinha muito sono.

Então, a menina e o fazendeiro fizeram um acordo. A menina ficava acordada e escondida toda a noite e tentava descobrir o ladrão das melancias.

Depressa anoiteceu e a menina escolheu como esconderijo uma melancia bem do seu tamanho. Fez um buraco para tampa, comeu o que estava dentro e escondeu-se lá dentro. Como não conseguia ver nada de lá de dentro, a menina saiu e fez um pequeno buraco na frente da melancia.

Passado muitas horas, a menina começou a ouvir risinhos do outro lado do campo. Era Alcina e Bardina, as bruxas. Eram elas que andavam a roubar as melancias. As bruxas cortavam a raiz da melancia com os dentes e alinhavam-nas.

Quando as alinharam todas, Bardina e Alcina empoleiraram-se nas primeiras duas da frente.

- Bardina, hoje levas tu as melancias! Agarra-te bem e faz o que te ensinei! – Disse Alcina

- Claro que sim, tiazinha! Biplik! – Gritou Bardina

Numa grande vibração, as melancias começaram a voar pelos céus fora. A menina nunca tinha voado e por isso ficou enjoada.

Quando chegaram a terra firme outra vez, Alcina disse:

- Bem Bardina estou muito cansada, por isso vou-me deitar mais cedo! Podes cuidar de arrumar as melancias, para amanhã as levarmos ao mercado? – Perguntou Alcina

- Sim, tia! Vamos arranjar um dinheiro bem bom, amanhã cedo!

Andreia começou a pensar e a pensar, no que tinha de fazer para levar as melancias de volta para a fazenda. Como o interior da melancia onde estava, era bem húmido, Andreia começou a tossir e estava a sentir um espirro a chegar.

A menina tentou parar o espirro, mas era tarde de mais. Bardina viu a melancia fazer uns barulhos estranhos e a mexer-se e por isso aproximou-se para ver o que se passava. Quando a menina ouviu os passos da bruxa, tapou o buraquinho que tinha feito na melancia e espirrou com tanta força, que a tampa do buraco saltou e bateu mesmo no nariz da bruxa.

Andreia saiu da melancia e empurrou Bardina para dentro da melancia. Arranjou uma corda bem forte e amarrou a melancia à volta. Quando Bardina voltou a si, fez um berreiro daqueles! A menina disse-lhe que só a soltava se ela a levasse de volta para a fazenda com todas as melancias roubadas.

A menina sentou-se em cima da melancia à espera de uma resposta da bruxinha. Passado algum tempo, a bruxa fez voar todas as melancias de volta à fazenda. Quando chegaram lá, Andreia soltou-a e a bruxa fugiu logo.

Como já era hora do fazendeiro se levantar, o fazendeiro foi até à plantação e viu todas as suas melancias de volta. Como recompensa, o fazendeiro ofereceu à menina uma melancia gigante e um carrinho de mão, para ela levar lá a melancia.

Diz-se que a menina ao comer daquela melancia, nunca mais precisou de comida, porque como era muito boa, Deus decidiu dar-lhe uma vida calma.

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL