Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

12
Mai16

"Quando eu for Pequeno"👶

João Jesus e Luís Jesus
Quando eu for pequeno, mãe,quero ouvir de novo a tua vozna campânula de som dos meus diasinquietos, apressados, fustigados pelo medo.Subirás comigo as ruas íngremescom a certeza dócil de que só o empedradoe o cansaço da subidame entregarão ao sossego do sono.Quando eu for pequeno, mãe,os teus olhos voltarão a vernem que seja o fio do destinodesenhado por uma estrela cadenteno cetim azul das tardessobre a baía dos veleiros imaginados.Quando eu for pequeno, mãe,nenhum de nós falará da morte,a não ser para confirmarmosque ela só vem quando a chamamose que os animais fazem um círculopara sabermos de antemão que vai chegar.Quando eu for pequeno, mãe,trarei as papoilas e os búziospara a tua mesa de tricotar encontros,e então ficaremos debaixo de um alpendrea ouvir uma banda a tocarenquanto o pai ao longe nos acena,lenço branco na mão com as iniciais bordadas,anunciando que vai voltar porque eu sou[pequenoe a orfandade até nos olhos deixa marcas.José Jorge Letria, in "O Livro Branco da Melancolia"
12
Mai16

Resenha "Uma Aventura no Castelo dos Ventos"

João Jesus e Luís Jesus

Olá a todos! :)

E mais um para a lista dos livros que eu já li :D!

Acabei ontem de ler Uma Aventura no Castelo dos Ventos, de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada e achei fantástico!

Tenho 35 livros de Uma Aventura (contando agora com este), mas há algum tempo parei de fazer a coleção, mas sempre tive interesse de ler este.

A história começa com Teresa, Luísa, Pedro, Chico, João, Caracol e Faial a ir passar umas férias sozinhos num moinho alugado. Mas a meio da viagem de autocarro há um acidente mais à frente, e o autocarro fica parado no meio do trânsito. Os amigos estavam fartos de estar ali e então foram a pé para o moinho alugado.

Mas perdem-se no meio de tantos moinhos que havia e ouvem gritos de socorro. Os amigos correm e ajudam um pobre homem chamado Rufino. Antes de ser salvo, Rufino diz que quer apanhar o galopador, que no entender das gémeas devia ser um cavalo. Mas não havia nenhum cavalo e Rufino guarda o suposto galopador numa caixa vazia.transferir (13)

Como já era de noite, Rufino decidiu levá-los para a sua casa. Lá o grupo de amigos apanham um susto com um homem chamado Onofre, que era tipo o criado do Rufino. O homem parecia ter sido retirado de uma história de terror, pois parecia um lobisomem. Ao jantar, o grupo comeu cascas dos vegetais, que era só o que Rufino comia. Quase a meio da noite, Rufino leva os miúdos à cavalariça para ver os seus cavalos. Porém um dos cavalos sai disparado da cavalariça e todos tentam apanha-lo. Nessa corrida ao cavalo, o grupo vê que a casa de um senhor rico e velhinho, chamado Tobias, está a arder. O grupo pára para tentar ajudar o velhote, que está dentro da casa em chamas. Pedro e Chico entram com Rufino na casa e tentam salvar o velhote.

Quando conseguem sair da casa em chamas, Tobias vai para o hospital e o grupo recomeça a caça ao cavalo.  Mas Teresa e Luísa cheias de fome e sono, caem ao chão, até que um casal as vê e levam-nas para o seu restaurante. Passado um tempo, Pedro, Chico e João descobrem onde estão as gémeas e todos comem uma refeição deliciosa naquele restaurante. Os donos do restaurante avisam os meninos para sairem da casa do Rufino pois o senhor é doido e  tem frascos vazios numa arrecadação secreta.

Com medo, o grupo volta a casa do Rufino e entram naquela arrecadação e descobrem os frascos vazios. Quando iam sair de lá, Pedro tem a sensação de ser observado e vê uns olhos a mexerem-se num quadro antigo. Este quadro ameaça-os a sairem dali. Apavorados, o grupo tenta dormir mais uma noite naquela casa, mas no dia seguinte partiriam para o moinho.

No dia seguinte, Rufino leva-os ao posto de turismo, que fica no castelo. Lá os amigos dão de caras com uma amiga do Rufino, que é descendente de um principe muçulmano. Esta, acredita que numa noite de lua cheia, o espirito do principe vinha visitá-la e ela tornar-se-ia numa adivinha. A rapariga propõe ao grupo a ajudarem-na a roubar as chaves do castelo, para ela poder passar lá a noite para ver o adivinho e depois sair. Com a beleza da rapariga, todos aceitam.

Quando o grupo chega ao moinho alugado, aparece um homem que quer que eles o ajudem a encontrar quem pôs o fogo na casa de Tobias. O grupo conta-lhe tudo o que sabe e o senhor também lhes dá informação sobre o bando de assaltantes que andavam por lá. O homem conta que uma mulher bonita fazia as pessoas roubar sem estas darem conta e que depois levavam tudo. O senhor deu-lhes uma descrição da mulher e esta corresponde à amiga do Rufino. Desconfiados, o grupo começa a fingir que quer ajudar a amiga de Rufino.

No dia seguinte, no castelo, há um acidente e alguém rouba as estátuas de S.Tiago, aproveitando-se do acidente, que foi feito de propósito por Onofre. Os donos do restaurante voltam a aparecer, mas desta vez muito maus para os miúdos. Nessa noite, os amigos roubam a chave do portão principal ao guarda e dão a chave à amiga do Rufino, qe fica feliz por a terem ajudado e vai ao encontro do espirito do principe. O grupo fica a vigiar a rapariga, mas ouvem um grito vindo da torre do castelo. Os amigos correm para lá e prendem-os na torre principal. Sem maneira de fugir, os amigos começam a gritar socorro, mas ninguém vem ajudá-los. Porém, vêm Onofre levar os S.Tiagos numa carrinha. O grupo descobre uma grade no chão e conseguem fugir. Chico conduz um trator e leva-os para a casa do Rufino, para saberem de vez o que há naquela arrecadação. Ao chegarem lá, o grupo dá com Rufino na arrecadação a arrumar uma caixa muito parecida com aquela que levava os S.Tiagos. O grupo conta-lhe a história e abre a caixa, que não contém nada. Rufino conta-lhes que ele caçava ventos e que tudo que havia naqueles frascos e caixas eram ventos de muitos locais que ele visitara. Chico mostra a Rufino o esconderijo por detrás do retrato e as gémeas abrem um alçapão que as leva para uma zona secreta cheia de coisas que os assaltantes levaram. O grupo avança na passagem secreta e descobrem que os assaltantes eram os donos do restaurante e o Onofre. João vê a amiga de Rufino caída no chão e esta avisa-os para não deixarem o Onofre dar arrotos na cara deles, porque estes arrotos tinham uma coisa que os fazia ficar zonzos. O grupo consegue apanhar os assaltantes todos e os S.Tiagos são recuperados.

Foi uma história muito fixe! Adorei! Viciei-me muito rapidamente! Recomendo! :D

assinatura-jj

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL