Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

21
Mai16

Leandro, Rei da Helíria (Resenha, Estrutura interna e externa da obra e caracterização das personagens)

João Jesus e Luís Jesus

Olá a todos! Hoje deixo-vos aqui uma resenha feita ao livro "Leandro, Rei da Helíria" que estou a estudar em Português. Gostei muito da obra! Deixo aqui também a estrutura interna e externa da obra. 

Resumo por atos

 

1º Ato

Tudo começa quando Leandro, rei de Helíria, tem um sonho estranho, que o faz querer desistir de governar o seu reino. O Bobo tenta explicar-lhe que esse sonho pode não significar nada, mas o rei, cada vez mais convencido que aquilo vai acontecer, não ouve o Bobo. Depois de algumas perguntas que o rei faz ao Bobo, a todas elas o Bobo responde ironicamente. De repente aparecem as suas filhas: Hortênsia, Amarílis e Violeta. Só Violeta ama verdadeiramente o pai. Nesta cena, há um conflito entre as personagens Hortênsia e amarílis, porque o Bobo cantou uma trova a Amarílis, sobre Hortênsia, a pedido da princesa Amarílis. Violeta está apaixonado por Reginaldo, mas as suas irmãs não gostam dele, por isso gozam com Reginaldo.

            Mais à frente, conhecemos os pretendentes à mão das outras duas princesas: Felizardo (pretendente à mão de amarílis) e Simplício (pretendente à mão de Hortênsia). Os dois pretendentes são um bocado estranhos. Simplício tem um vocabulário muito reduzido, mas Hortênsia não liga, pois ela só quer saber da fortuna de Simplício. Uns momentos depois, Violeta revela que teve um sonho parecido com o do pai.

            Depois, o rei começa com um discurso que teve um sonho estranho e propõe às filhas um acordo. Quem gostar mais dele, fica com o reino. Amarílis e Hortênsia comparam-no com os elementos, mas Violeta diz que o quer como a comida quer o sal. Ofendido, o rei expulsa-a do castelo, pois acha que ela fez pouco de si. Amarílis fica com uma parte do reino e Hortênsia com outra. No fim do acordo, Hortênsia e Amarílis discutem como se vão livrar do pai.

 

            2º Ato

            O 2º ato começa com o Rei e o Bobo numa longa caminhada, já velhos e cansados. As filhas de Leandro tinham-no traído e mandaram-no embora. Agora Leandro e o Bobo procuram abrigo. De repente começa uma tempestade e Leandro e o seu Bobo refugiam-se numa gruta. Aí encontram um pastor, que vem de um reino maravilhoso onde todos são felizes. Espantados, o Pastor leva-os para o seu reino. Pelos vistos, o Pastor pertence ao reino de Violeta. Antes de chegarem, o Pastor combina com Violeta que farão um banquete em honra dos convidados, mas não porão sal na comida.

            Leandro e o Bobo chegam ao reino. Realmente era tudo maravilhoso. Rapidamente são acolhidos por Reginaldo e Violeta. A seguir, começa o banquete. Leandro prova todos os pratos e cada vez mais, um lhe sabe pior que outro. Por fim o rei irrita-se e pergunta o que puseram na comida. Violeta revela a sua identidade e diz que aquilo é apenas comida sem sal. O rei fica emocionado e percebe que afinal, aquela era a única filha que o amava.

 

Mini-Resenha

 

Achei um livro muito bom. É parcíssimo com um conto popular! Já sabia desde o inicio da história que as duas irmãs eram interesseiras e avarentas. Fiquei logo a gostar da personagem do Bobo e odiei as personagens Símplicio e Hortênsia.

 

Estrutura externa e interna da peça

-Estrutura Externa

A peça divide-se em dois atos (quando o cenário muda, assistimos então ao 2.º ato); cada ato tem onze cenas (sempre que uma personagem sai ou entra em cena/palco demarca-se uma cena).

Existe ainda um texto secundário constituído pelas indicações do autor ou didascálicas destinadas aos atores e a todos os técnicos que contribuem para a encenação da peça. Essas indicações cénicas surgem entre parênteses e em itálico.

cenas.PNG

 

ext2.PNG

 

-Estrutura Interna

Como texto portador de sentido, i.e., em que se conta uma história e por partes, esta peça obedece a uma estrutura interna:

  • exposição (introdução)
  • conflito (desenvolvimento)
  • desenlace (conclusão).

interno.PNG

 

Caracterização das personagens

 

  • Rei Leandro- O rei Leandro é a personagem principal da história. É um homem poderoso, que tem medo de perder o seu reino. Rei Leandro perde o seu reino ao oferece-lo às suas filhas, Hortênsia e Amarílis.

 

  • Bobo- O Bobo é o um homem que gosta de dizer ironicamente coisas graves que se passam com as pessoas pobres. O Bobo gosta de aconselhar o rei, mas este não lhe presta atenção.

 

 

  • Hortênsia- Hortênsia é uma das filhas do rei, que ficou com uma parte do reino de Helíria. É falsa e interesseira, porque ao ficar com o reino expulsou o pai. Casou com Simplício.

 

  • Amarílis- Casou com Felizardo, que só sabe dizer uma coisa. Não se preocupa com a superficialidade do noivo e só quer saber do seu poder. É Oportunista, ingrata e falsa.

 

  • Violeta- É a filha preferida de Leandro e é a única que gosta verdadeiramente do pai. Preocupa-se com o bem-estar de todos e é muito bondosa. Violeta disse ao pai que o queria como a comida queria o sal, porém o pai não percebe isso e expulsa-a do reino. Violeta não guarda rancor do pai e ensina-lhe uma grande lição.

 

 

  • Príncipe Felizardo- Pretendente de Amarílis. Acha que as pessoas se vêm pelo que estas possuem. É preguiçoso e desculpa-se com as coisas que Amarílis faz.

 

  • Príncipe Simplício- Pretendente de Hortênsia. Tem um vocabulário muito reduzido: “ Tiraste-me as palavras da boca!”. Não mostra vontade própria, vive à sombra de Felizardo e não tem personalidade.

 

  • Príncipe Reginaldo- Pretendente de Violeta. Ama-a verdadeiramente. É corajoso e enfrentou o rei quando este expulsou Violeta do castelo. É bondoso e generoso. Apoia Violeta nas suas decisões.

 

  • Pastor- O pastor veio do reino da Violeta e Reginaldo, e conhece muito sobre a cultura popular daquele reino. Refere muitas vezes a sua mulher, a Briolanja. Ajuda o Bobo e o Rei Leandro chegarem ao reino da filha do Rei Leandro.

(Parte da informação foi retirada do blog "Lições Práticas")

21
Mai16

"Não podemos ter a certeza de nada"

João Jesus e Luís Jesus
Somos todos iguais na fragilidade com que percebemos que temos um corpo e ilusões. As ambições que demorámos anos a acreditar que alcançávamos, a pouco e pouco, a pouco e pouco, não são nada quando vistas de uma perspectiva apenas ligeiramente diferente. Daqui, de onde estou, tudo me parece muito diferente da maneira como esse tudo é visto daí, de onde estás. Depois, há os olhos que estão ainda mais longe dos teus e dos meus. Para esses olhos, esse tudo é nada. Ou esse tudo é ainda mais tudo. Ou esse tudo é mil coisas vezes mil coisas que nos são impossíveis de compreender, apreender, porque só temos uma única vida.— Porquê, pai?— Não sei. Mas creio que é assim. Só temos uma única vida. E foi-nos dado um corpo sem respostas. E, para nos defendermos dessa indefinição, transformámos as certezas que construímos na nossa própria biologia. Fomos e somos capazes de acreditar que a nossa existência dependia delas e que não seríamos capazes de continuar sem elas. Aquilo em que queremos acreditar corre no nosso sangue, é o nosso sangue. Mas, em consciência absoluta, não podemos ter a certeza de nada. Nem de nada de nada, nem de nada de nada de nada. Assim, repetido até nos sentirmos ridículos. E sentimo-nos ridículos muitas vezes e, em cada uma delas, a única razão desse ridículo é não conseguirmos expulsar da nossa biologia, do nosso sangue, dos nossos órgãos, essas certezas injustificadas, ou justificadas por palavras sempre incompletas. Mas é bom que seja assim. Porque podemos continuar e, enquanto continuamos, continuamos. Estamos vivos. Ou acreditamos que estamos vivos, o que é, talvez, a mesma coisa.— Porquê, pai?— Porque o amor, filho.José Luís Peixoto, in 'Abraço'

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL