Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

31
Ago16

"Disse-me a Vida Que Te Perdi" - Ana Ribeiro

João Jesus e Luís Jesus

Não há nada mais doloroso, injusto e distante que o sentimento de perda de alguém que amamos. Alguém que decide partir, que decide deixar-nos, que decide fazer da distância e da saudade um caminho. Uma estrada que por vezes me custa a compreender, que não atenua a dor, que me esvazia, que faz com que todos os dias me perca por aqui e por ali numa busca incessante e infrutífera pela tua presença, pelos teus contornos. Por algo de ti que me faça continuar a (sobre)viver à tua falta.

Acordo todos os dias e não te vejo, não te sinto, não te tenho aqui; acordo todos os dias e é mais um dia que o meu coração parece querer perder o norte e o fôlego, o ar que respiro não se liberta, os meus pensamentos misturaram-se e baralham-se como num final de tarde de maré cheia em que o mar se funde com a areia: balançando.

A vida sem ti é só um simples rascunho, um poema sem musicalidade, versos que não se conjugam, uma melodia desafinada, um filme com um final inacabado. Estava escrito por aí: nas estrelas, na brisa, na terra húmida de Outono e na nossa pele que o meu destino era perder-te. Aos poucos via o que nos unia a desvanecer-se como uma névoa de inverno.

Aos poucos a vida dizia-me que te ia perdendo, como se perde o medo, como se perde o melhor amigo, como se perde a confiança, o ar que se respira. Aquele tipo de perda em câmara lenta, que se estilhaça em pedaços como vidro, sem capacidade de se explicar, sem motivos e sem razões. Somente uma perda de algo que sentimos como nosso, de algo que faz parte daquilo que somos e daquilo que fomos e seremos. Aquela cratera sem fundo que parecia querer consumir-me sem tempo e sem validade.

Aos poucos, sem nada que o fizesse prever fomo-nos afastando um do outro, seguindo rotas diferentes, fazendo outras vidas, cruzando os nossos caminhos com outras pessoas; aos poucos parecia que tínhamos deixado de ter coisas em comum; aos poucos a cumplicidade que nos tornava seres ligados um ao outro para sempre, deixou de existir, de fazer sentido, de se notar, de se sentir. Já não havia nada para falar, já não havia nada para partilhar, não encontrava nada que pudéssemos viver em conjunto. E tudo foi esmorecendo, como a pintura esbatida de um quadro.

 Não havia razões que nos levassem a um reencontro e desde o afastamento até ao aparecimento da saudade foram poucos passos. Deixei de te ver, deixei de te ter por perto, deixei de poder contar contigo para ser feliz. Na verdade, fui perdendo a esperança, fui roubando anos de vida e pedaços ao meu coração inconformado com a tua ausência.

Deixei de saber de ti, por onde andas, o que fazes e mais importante que tudo: se és feliz. Se essa tua nova vida de completa e te preenche, se ainda te lembras de mim, se tive ou ainda tenho algum significado para ti. Se pensas em mim com a mesma intensidade que eu penso em ti, se me desejas como eu te desejo a ti. Se me vês nos teus sonhos e me sentes na tua solidão. Não tenho respostas para todas essas questões ou meras dúvidas; mas conto aproveitar o resto da vida a correr atrás delas.

Fui tentando – a todo o custo – seguir em frente, vivendo a minha vida sozinha, longe de ti, sem marcas tuas, sem lembranças e recordações, apesar de não conseguir esquecer a forma como me olhavas, como me sorrias, como me tocavas, o aroma que deixavas. As palavras que ecoavam de ti.

A falta daquela parte de ti que me preenchia todos os dias, deixou de estar aqui, de me pertencer, de fazer parte de mim e ainda não consegui descobrir como gerir e lidar com isso. Aquilo que sempre achei ser eterno; afinal tornou-se finito da forma mais dura e fria.

Procuro um esboço de ti no horizonte, onde tudo o que me trazia luz e vida fazia parte de ti, procuro tentar arranjar uma forma de recuar no tempo, de encontrar-te e recuperar-te. De tentar reconstruir as peças que perdemos. Percebi que preciso de ti na minha vida, que preciso que os nossos caminhos se voltem a cruzar, preciso daquilo que tu me dás. Preciso de ti, preciso que voltes, que me conquistes, que te reinventes e que sejas exactamente a mesma pessoa que eu conheci, que sejas para mim como sempre fostes. Não mudes. Gosto de ti assim, tal como és.

Um dia, disse-me a vida que te perdi. Não sei se acredite piamente nisso; talvez sim, talvez não, na verdade continuo a sentir-te aqui e em mim. A vida diz-me agora que o meu verdadeiro caminho é lutar sempre por ti, dar a minha vida por ti. Até voltar a ter-te aqui.

 
30
Ago16

"Mãe"

João Jesus e Luís Jesus

Começou bem cedinho o teu carinho por mim! Desde que me viste na pequena incubadora, tudo mudou. O teu coração cresceu e sentiste-te logo pronta para cuidares de mim.

Havia noites em que começava a gritar e tu acordavas pela milésima vez para me embalares no teu colo.Resultado de imagem para mãe e filho

Quando eu acordava naquelas noites em que era assaltado por pesadelos e corria para a tua cama. Tu acordavas cansada, mas deixavas-me estar lá um bocadinho.

Quando eu fazia algumas birras e tu davas-me uma palmada. Doía, mas eu sabia que também te doía a ti, embora estivesses a fazer isso para meu bem.

Também havia aqueles dias em que eu não me queria levantar da cama para não ir à escola, mas tu lá me obrigavas e explicavas que a escola ensina a viver.

E às vezes, quando me aleijava, lá ias tu a correr para me socorrer. Porque eu sou o teu maior bem!

Também me ajudaste e ainda me ajudas a escolher uma opção correta nas perguntas que a vida nos faz.

Estás sempre aqui, mãe. Nos bons e maus momentos, tu ajudas-me. E espero que continues durante muito tempo perto de mim!

João Jesus escritor

 
29
Ago16

Música da Semana *14

João Jesus e Luís Jesus
E a música da semana é uma música bem atual e que toda a gente anda a cantar! É muito bonita! Espero que gostem de... "I Hate U, I Love U" do gnash!https://www.youtube.com/watch?v=BiQIc7fG9pA

Feeling used

But I'm still missing you

And I can't see the end of this

Just wanna feel your kiss

Against my lips

 

And now all this time is passing by

But I still can't seem to tell you why

It hurts me every time I see you

Realize how much I need you

 

I hate you I love you

I hate that I love you

Don't want to, but I can't

Put nobody else above you



I hate you I love you

I hate that I want you

You want her, you need her

And I'll never be her

 

I miss you when I can't sleep

Or right after coffee

Or right when I can't eat

I miss you in my front seat

Still got sand in my sweaters

From nights we don't remember

Do you miss me like I miss you?

 

Fucking around and got attached to you

Friends can break your heart too

And I'm always tired but never of you

If I pulled a you on you

You wouldn't like that shit

I put this real out, but

 

You wouldn't bet that shit

I type a text but then I

Never mind that shit

I got these feelings but

You never mind that shit

 

Oh oh, keep it on the low

You're still in love with me

But your friends don't know

If you wanted me

You just say so

And if I were you, I would never let me go

 

I don't mean no harm

I just miss you on my arm

Wedding bells were just alarms

Caution tape around my heart

 

You ever wonder what we coulda been?

You said you wouldn't and you fucking did

Lie to me, lie with me, get your fucking fix

Now all my drinks and all

My feelings are all fucking mixed

 

Always missing people that I

Shouldn't be missing

Sometimes you gotta burn

Some bridges just create

Some distance

 

I know that I control my thoughts

And I should stop reminiscing

But I learned from my dad

That it's good to have feelings

When love and trust are gone

I guess this is moving on

Everyone I do right does me wrong

So every lonely night, I sing this song

 

I hate you I love you

I hate that I love you

Don't want to, but I can't

Put nobody else above you

 

I hate you I love you

I hate that I want you

You want her, you need her

And I'll never be her

 

All alone I watch you watch her

Like she's the only girl

You've ever seen

You don't care you never did

You don't give a damn about me

 

Yeah all alone I watch you watch her

She's the only thing you've ever seen

How is it you never notice

That you are slowly killing me

 

I hate you I love you

I hate that I love you

Don't want to, but I can't

Put nobody else above you

 

I hate you I love you

I hate that I want you

You want her, you need her

And I'll never be her

 

Pág. 1/13

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL