Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Letras Aventureiras | Por João e Luís Jesus

De João Jesus e Luís Jesus, nomeados os mais jovens escritores portugueses em 2016.

25
Out16

"Cavalo Negro- Parte I"

João Jesus e Luís Jesus

Cavalo-Negro.jpg

Levantei-me muito cedo esta manhã! Tinha mesmo de ir tratar dele. Tinha de o fazer sentir-se em casa!

Levantei-me rapidamente da cama e olhei para a janela! Hoje não estava um bom dia. Pelo céu avistava-se uma grande tempestade. Mas tinha de ser hoje!

Vesti uma roupa qualquer à pressa. Quase me esquecia de calçar as botas, pois dão bastante jeito para o que ia fazer.

Desci as escadas a correr e ainda bem que o meu pai estava na Feira, senão levava uma reprimenda daquelas! Como o pai e a mãe foram à feira, deixaram-me o pequeno-almoço ainda quentinho dentro do micro-ondas que o meu irmão Johny ofereceu há minha mãe no seu aniversário.

A minha mãe tinha-se esmerado no pequeno-almoço de hoje! Ovo estrelado, bacon frito, panquecas e duas torradas.

Mas não pude comer tudo, pois tinha de me despachar para tratar dele.

Mas primeiro ainda tinha tarefas a fazer antes disso. A minha mãe não se esquecera de deixar um bilhete com as tarefas de hoje. “ 1- Tratar das galinhas, 2- Dar a comida ao Dick e ao Duck, 3- Deixar os póneis, vacas e burros no prado, 4- Acordar a Avó, 5- Fazer as camas e limpar o pó.”

A lista era bem comprida, mas ainda bem que me levantei cedo! Primeiro fui ao galinheiro, onde as galinhas ainda dormitavam e cacarejaram bem alto aos meus ouvidos por ter ido acordá-las. Dei-lhes milho e recolhi os ovos, que coloquei numa cesta e deixei no celeiro.

Depois, fui acordar (praticamente, arrastar da cama) o Dick e o Duck, os meus dois porquinhos gémeos. Eles são muito preguiçosos, mas adoro-os! Quando acabei de tirar o Dick da sua confortável cama, comecei a arrastar o Duck.

Este tolo em ato de vingança resolveu-me deixar-me um presente em cima das minhas botas novas.– Estúpido! – Ri-me – Vais dar um belo presunto se não deres corda às patinhas!

O Duck levantou-se e correu atrás do irmão, que comia vagarosamente a sua ração.

Fui para o celeiro das vacas, póneis e burros e agarrei nas suas cordas. Levei-os para o prado, que tinha a erva húmida por causa da chuva de ontem à noite.

Olhei para o meu relógio, que marcava as nove da manhã.– Avózinha! Horas de acordar! – Sussurrei para mim

Corri para casa e subi as escadas. Entrei no quarto da avó. Esta ressonava bem alto. Abri as cortinas, deixando passar alguma luz.– Toca a acordar! – GriteiA avó emitiu um grunhido e sentou-se na cama. Colocou a sua dentadura e mastigou alguma coisa imaginária.– Ei rapariga! Que horas são? – Sussurrou ela– Nove em ponto! – Disse– E porque raios estás tu acordada a estas… Ah! Espera! É ele não é? – Gemeu a avó, primeiro com raiva e depois com suavidade– É! Tenho de me despachar! – Disse – Não se esqueça de tomar os comprimidos à hora certa e de começar a aquecer a comida que a minha mãe deixou no frigorífico.Andei até ao corredor até que ouvi a avó dizer.– Oh! Lucy?! Tinhas mesmo de trazer as botas todas sujas para dentro de casa? – Disse ela, enquanto se ria um pouco

Esbocei um sorriso e desci as escadas. Mal sai de casa, começou a cair uma chuva miudinha. Corri até ao andar de cima do celeiro. E lá estava ele…– Bom dia dorminhoco! Horas de levantar! – Disse baixinho

Em cima de um monte de palha, estava a coisa mais bela que já tinha visto. Um puro-sangue negro! Ainda é jovem e tem os olhos mais lindos de todos!

Ele ficou feliz de me ver. Levantou-se e deixou-me dar uma festa no seu pescoço longo.– Lindo menino! Vem! – Disse, agarrando na sua corda e descendo o celeiro

Montei o cavalo e este começou a cavalgar até um ponto distante.

Olhei para o relógio que já marcava 12 horas. Os pais deviam estar a chegar.– Anda lá Sammy! – Disse-lhe

O Sammy cavalgou outra vez pelo caminho seguido. Chegamos a casa quando os pais chegaram.– Olá Lucy! – Disse o meu irmão saltando da parte de trás da carrinha– Olá Johny! O touro deu-te alguma lição? – Perguntei ironicamente– Não provoques o teu irmão Lucy! Por acaso, ele ficou em terceiro lugar no rodeo. – Disse o meu pai

A minha mãe saiu da carrinha a correr até mim.– Lucy! Já para casa! Estás toda molhada. – Gritou a minha mãe – Olá Sammy!– Ok!

Levei o Sammy até ao celeiro e dei-lhe a sua comida e escovei-lhe o pêlo. Fui para casa e quando ia a preparar-me para entrar na casa de banho, ouvi algo que me deixou curiosa.– … Mas ela não vai compreender! Eu avisei-te que aquela gente é manhosa! – Disse a minha mãe

Ignorei e entrei na casa de banho, onde enchi a banheira com água a ferver. Passado meio hora, lá foi a minha avó arrancar-me de lá, pois já tinha estado muito tempo na água. Sequei-me e vesti uma roupa limpa.

Quando cheguei à cozinha, sentei-me à mesa e começamos a comer.– Pai?! Do que estavam a falar quando entrei em casa? – Perguntei

O meu pai respirou profundamente. Percebi que algo não estava bem.– Mãe?! O que se passa? – Perguntei– O teu pai e eu temos uma coisa para te dizer… – Sussurrou a minha mãeEngoli uma garfada da comida deliciosa que a mãe fizera.– Hum… O teu pai participou num jogo de azar na Feira. – Disse a minha mãe– E…– Estava em jogo uma grande quantia de dinheiro e não consegui resistir, pois aquilo chegava para o tratamento da tua avó. – Explicou o meu pai– Oh! Já estou velha e o tratamento ainda me vai matar mais depressa… – Sussurro a avó– Eu estava a ganhar e só restava eu e o McPhils, aquele velho esperto com muito dinheiro. Ele apostou todo o seu dinheiro e uma fazenda e eu apostei algum dinheiro e… – Parou ele– E o quê? – Perguntei– E o Sammy. – Disse a minha mãeFiquei perplexa! Não podia. O pai tinha acabado de o ganhar! As lágrimas subiram-me aos olhos e bati na mesa.– E o que aconteceu? – Sussurrei– Eu perdi. E o Sammy vai ser-lhe devolvido amanhã. – Disse o meu pai– Não vou entregar o meu cavalo a um velho caquético que maltrata os animais! – Gritei levantando-me da mesa– Lucy… – Disse a minha avóSai de casa furiosa e corri para o celeiro.

assinatura-jj

Mais sobre nós

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

João Jesus

Chamo-me João Jesus. Sou escritor e blogger! Sou português e habito num concelho do distrito de Vila Real! A leitura, a escrita e o filme são as minhas grandes paixões.

letrasaventureiras@sapo.pt

Luís Jesus

Chamo-me Luís Jesus. Sou ilustrador e blogger. Adoro ilustração e tecnologia. Apesar de ser ainda novo, o meu sonho é licenciar-me em engenharia informática e visitar países como a Austrália, Singapura, China e EUA.

letrasaventureiras@sapo.pt

Direitos de Autor

Plágio é CRIME! Não me importo que utilizem os meus textos desde que os identifiquem com o nome pelo qual os escrevo ou o link do blogue. As fotografias que utilizo são retiradas da internet, no entanto, se houver alguma fotografia com direitos de autor: estes não serão esquecidos. Obrigada!

Autora do Banner

DESIGNED BY JOANA ISABEL